• Secom

“A Igreja que Somos Nós”

Mais que um livro, um projeto de atualização missionária da Igreja


“A tarefa da Igreja é levar Deus aos homens e os homens a Deus. ‘Sua

finalidade é o Evangelho e tudo nela deve girar em torno dele’”. (p. 124)

(Mário de França Miranda)




Capa do Livro

Em março de 2018 resenhei a obra “A Reforma de Francisco”, de um dos maiores teólogos brasileiros, o padre jesuíta Mário de França Miranda. Nesta edição trago a resenha de outra obra dele: “A Igreja que Somos Nós”. Nela o teólogo expressa a necessidade de meditarmos sobre qual a melhor configuração eclesial para anunciarmos a mensagem salvífica do Evangelho para esta sociedade pluralista e secularizada.


Ao longo de dez capítulos o autor explicita como deve ser a Igreja de nossos dias. Para isso recorre à Tradição, vista em seu melhor sentido, e à reflexão teológica comprometida com a missão evangelizadora. Ao afirmar que todos somos Igreja e que todos somos povo de Deus, Mario de França apresenta o que caracteriza o cristão (batizado, consciente, místico...) e o que caracteriza a Igreja (instituição humana e divina).


“Todo o sentido da Igreja é continuar a missão salvífica de Jesus Cristo, anunciando sua pessoa e sua mensagem à sociedade. Tarefa muito difícil em nossos dias, pois a sociedade de cristandade deu lugar à sociedade pluralista e secularizada” (p. 130). “A missão da Igreja... está na realização do Reino de Deus, na constituição de uma nova humanidade que constitua a família de Deus, ou na formação de uma nova sociedade marcada pela justiça e pela caridade (LG 9; 40; AA 2).” (p. 143).


“urgente necessidade de meditarmos sobre qual deve ser a melhor configuração eclesial para anunciarmos a mensagem salvífica do Evangelho”

Um destaque interessante também é dado para apresentar uma boa descrição do significado e missão da Igreja local (dioceses) e ainda se reflete sobre a necessária e, por vezes tensa, relação entre a Igreja e a sociedade atual. O autor deixa evidente que se antigamente vivíamos sob o regime da cristandade. Hoje, nesta mudança de época, vivemos em uma sociedade globalizada, pluralista e secularista. Isso impacta diretamente a missão da Igreja a ponto de o teólogo asseverar a necessidade de re-formar a Igreja em suas configurações possíveis de mudança a fim de que a Igreja possa anunciar a mensagem salvífica de Cristo para o homem e a mulher de nossos dias.


“... o mal-estar que hoje sentimos pode provir também da própria Igreja. Herdamos uma instituição eclesial do passado que não mais consegue responder aos desafios da nossa sociedade” (p. 131). “... a fé cristã será pertinente à medida que der sentido à vida das pessoas, atingindo-as em sua existência concreta, tornando-as mais humanas e mais felizes por colocarem em Deus seus anseios de felicidade e de paz” (P. 176).


Sabendo que um tal projeto de reforma eclesial encontra resistência de um lado e acolhida de outro, Mario de França apresenta os argumentos e dados teológicos que justificam sua tese reformista. Passando pelas cinco fontes da teologia, a saber: Tradição (oral e escrita, com destaque para a bíblia e a patrística), o magistério, a reflexão dos teólogos, o senso da fé dos fiéis, e a realidade, o livro apresenta os elementos necessários, a meu ver, para uma conversão eclesial de corações, mentes, procedimentos e projetos.


“... a Igreja muda para conservar sua identidade e finalidade, a saber, sua característica principal de ser mediação salvífica de Jesus Cristo na história” (p. 136). “... a Igreja pode e deve mudar para poder realizar sua finalidade salvífica” (p. 137).


Oxalá este livro “A Igreja que somos nós” acrescido também do livro “A Reforma de Francisco”, ambas obras do Mario de França Miranda, que já foi membro da Comissão Teológica Internacional e que já ganhou o prêmio Ratzinger de Teologia, possam ter boa penetração entre nossas lideranças. Considero tais obras de leitura fundamental para nossos coordenadores leigos, para a atualização do clero (formação permanente de bispos, padres e diáconos) e leitura obrigatória para nossos seminaristas (diocesanos e religiosos).

Se o desafio de apresentar a mensagem salvífica de Cristo é a missão fundamental e prioritária de toda a Igreja, este livro nos ajuda a entender como podemos anunciar o Evangelho de forma que o mundo creia e dê adesão ao Cristo de Deus.


 A você meu abraço, a você minha bênção!


Serviço:

Livro: A Igreja que Somos Nós

Autor: Mario de França Miranda

Produção: Brasil, 2013

Editora: Paulinas

Gênero: Teologia, religião

Páginas: 260 p.

5 visualizações