Pastoral Carcerária Arquidiocesana reúne líderes para tratar sobre Romaria 50 anos da PC e Retiro


(Foto: Pastoral Carcerária)

A Pastoral Carcerária (PC) da Arquidiocese de São Luís do Maranhão realizou neste sábado, 13/08, na sala da PC, a reunião ordinária da pastoral. Assessoradas pelo padre comboniano, Raimundo Rocha dos Santos, as lideranças trataram sobre dez temas em pauta, entre eles, o Retiro Arquidiocesano, a Romaria da Pastoral Carcerária, programada para o próximo dia 28/08 e a Assembleia Regional Ordinária, que deve acontecer de 11 a 13 de novembro, em Barra do Corda (MA), Diocese de Grajaú.


Entre as pautas discutidas estavam:

1. Pena de Multa (Encontro Nacional das Coordenadoras para assuntos da Mulher Encarcerada);

2. Visitas e missas nos presídios - avanços e dificuldades;

3. Paroquia São Maximiliano Kolbe - sobre as visitas aos internos;

4. Formação continuada da Pastoral Carcerária (de que maneira farão esta retomada);

5. Retiro da Pastoral (definição de data e local);

6. Finanças (primeiro semestre);

7. Seminário Fé e Política (Diocese de Pinheiros);

8. Romaria 50 Anos Pastoral Carcerária (28/08/22);

9. 28º Grito dos Excluídos;

10. Assembleia Regional - de 11 a 13 novembro, em Barra do Corda (MA).


(Padre Raimundo Rocha dos Santos, comboniano, assessor arquidiocesano da Pastoral Carcerária), durante reunião do dia 13/08/2022)

Em julho deste ano (21 a 25), a capital maranhense acolheu o Encontro Nacional das Coordenadoras Estaduais para questões das Mulheres Encarceradas (programado desde 2019, e adiado devido a pandemia), no Centro Comboniano, Olho D'Agua, que tratou sobre temas de grande preocupação, como o caso das crianças que nascem com as mães em situação de privação de liberdade e que após o período de seis meses, precisam ser desmamadas e retiradas do convívio materno.


Ações da Pastoral Carcerária


Recentemente, a Arquidiocese de São Luís do Maranhão fechou parceria com a Defensoria Pública do Estado do Maranhão no projeto "Leitura que liberta", ação que visa arrecadar livros para as bibliotecas dos Sistemas Prisionais, onde podem ser utilizados pelos apenados no processo de remição pela leitura.


Em comunicado aos párocos, o arcebispo, Dom Gilberto Pastana, solicitou colaboração no sentido de avisarem em todas as paróquias, de todas as Foranias, para que os fieis doassem obras com este fim.


Vale ressaltar que no próximo dia 25 de agosto, às 15h, dom Gilberto Pastana estará presidindo a primeira missa, desde que assumiu o arcebispado, no Complexo Penitenciário de Pedrinhas. A missa está sendo organizada pela Pastoral Carcerária e faz parte da programação da Semana do Encarcerado.