• Secom

Paróquia São José do Bonfim: uma longa história de evangelização

A Paróquia São José do Bonfim, na Vila Nova, quando da sua celebração de elevação ao grau de paróquia, tem sua história recuperada e contada em uma bela crônica


Por Secom da Arquidiocese.

Igreja matriz da Paróquia | Foto: reprodução da internet

A Paróquia São José do Bonfim, criada há 15 anos, tem seu início em 37, motivado pela presença do hospital ali instalado, quando retirado do Lira, onde também originou outra igreja, a de São Roque.


À época chamado de Leprosário, atualmente, Aquiles Lisboa. O hospital conserva a antiga aparência de colônia, mas, diferente daqueles tempos, para muitos hansenianos ainda hoje o hospital é um lar. Um álbum vivo de recordação.


Dessa história nasce outra, a da Igreja do Bonfim: a pequenina capela de 37 cede lugar a uma nova e maior construção em 50, para abrigar o alargamento da devoção e permitir a prática da fé católica daqueles que vinham caminhando dos arredores para missa ali celebrada.


"Hoje, olho para os nossos fiéis leigos, que mesmo diante das nossas dificuldades, algumas históricas, nunca abandonaram a sua missão evangelizadora. Esta Evangelização, já acontecia muito antes da elevação ao grau de paróquia, isso sabemos, mas, sabemos também, que como paróquia nos veio a oportunidade de andarmos mais juntos e mais fraternos", declara o diácono permanente e paroquiano Joelson Ferreira.


Uma bela história remontada em uma crônica, escrita pelo atual pároco, padre Edson Pimenta. Vale a leitura.


Vou contar-lhes uma bela história que não pode ser esquecida.

Igreja do Hospital Aquiles Lisboa, primeira igreja matriz | Foto: Reginaldo Magalhães

Em 2014, quando São Luís completou 402 anos, o portal de notícias Imirante publicou uma matéria sobre a Colônia do Bonfim.

Segundo a matéria de Luciano Dias, publicada em 08 de setembro de 2014, “a Colônia do Bonfim é um antigo hospital, estilo colônia. Hoje, é mais conhecido com Hospital Aquiles Lisboa, especializado no tratamento dos portadores de hanseníase. Dizem os mais antigos que esse nome veio como reverência ao Nosso Senhor do Bom Fim; outros já dizem que era porque as pessoas eram internadas lá para ter um bom fim de vida. Mas na verdade, deve-se ao Cabo do Bomfim. Segundo historiadores, a verdadeira origem do nome Colônia do Bonfim é porque ela foi construída para ‘abrigar leprosos’, na Ponta do Bonfim, sendo separada do centro da cidade pelo rio Bacanga. O local foi escolhido exatamente por ser bem afastado e de difícil acesso, pois antes a única forma de transporte era pelo mar. Assim, tornou-se ideal para o isolamento de ‘leprosos’ como forma de afastá-los definitivamente do convívio social.”

Aqui, para nós, convém um pequeno apanhando sobre a história da nossa paróquia, nesses 15 anos. Mas não podemos separar a nossa história da Colônia.

Em 1937 é construída a Colônia do Bonfim. Veio, com ela, e celebrava aqui de vez em quando, o padre João Leme. Foi construída uma capelinha para os católicos que residiam aqui na Colônia. Em 1941 chegam para morar aqui as Irmãs Vicentinas. Em 1966 o padre João Leme é oficializado Vigário da Colônia do Bonfim.

Em 1972 surge, nos arredores da Colônia, o bairro Vila Nova, formado principalmente por pessoas pobres que tinham parentes na Colônia e vinham visitá-los e por aqueles pacientes que recebiam alta do hospital, por estarem curados da hanseníase, mas que não eram bem-vindas de volta às suas cidades por causa da lepra. Então eles acabavam voltando para São Luís e iam morar na Vila Nova.

No final dos anos 50 começa a ser erguida a nova Igreja, maior, pois a capelinha não comportava mais as pessoas. Numa justa e merecida homenagem aos trabalhados do leprosário que construíram a Igreja, ela recebeu o nome de São José Operário do Bonfim.

Por bem pouco, seríamos Paróquia Nossa Senhora da Penha. Isto, pois, há quinze anos o padre Fernando Levesque passou a tomar conta de toda esta região e motivou naquela época o arcebispo metropolitano de São Luís, dom Paulo Pontes, então, resolver por vez dividir no lugar de duas, em três paróquias, que de fato foram criadas, são elas: São Daniel Comboni, com os padres Cobonianos; a Paróquia Nossa Senhora da Penha e a Paróquia São José do Bonfim com os padres diocesanos. Assim, o que antes era apenas Bonfim e Vila Nova, foi ampliado para mais comunidades paroquiais, como Sagrado Coração, Nossa Senhora Aparecida, São Benedito, São Raimundo e Nossa Senhora de Fátima. Nossas comunidades.

Amados irmãos, hoje (24) nossa Paróquia São José do Bonfim completa 15 anos de instalação. Infelizmente é um momento difícil, de dor, sofrimento, perdas irreparáveis de entes queridos, por conta da pandemia da Covid-19. Sequer podemos nos unir em volta do altar e celebrar juntos, não podemos nos abraçar e festejar esta data.

Tenhamos, contudo, fé e rezemos sem cessar, pois como nos ensina o Salmo 68, “nosso Deus atende à prece dos seus pobres, e não despreza o clamor dos seus cativos.”


Padre Edson Pimenta, pároco da Paróquia São José do Bonfim, Vila Nova.



109 visualizações