Dom Gilberto Pastana recebe Pálio Arcebispal pelas mãos do Núncio Apostólico do Brasil

(Foto: Ascom Arquidiocese de São Luís do Maranhão | Zilmara Ribeiro)

Na tarde desse sábado (29), em cerimônia solene na Catedral Nossa Senhora da Vitória, dom Gilberto Pastana de Oliveira, arcebispo de São Luís do Maranhão, recebeu a imposição do Pálio Arcebispal, pelas mãos de dom Giambattista Diquattro, Núncio Apostólico do Brasil, na presença do clero da Arquidiocese, leigos, religiosos, dos bispos do Regional NE5 , e autoridades civis, como prefeito e a vice-prefeita de São Luís, Eduardo Braide e Esmênia Miranda, além do senador recém-eleito Flávio Dino.


Dom Gilberto Pastana é o oitavo arcebispo da Arquidiocese de São Luís do Maranhão, e o primeiro, em 100 anos de Arquidiocese, a receber o Pálio Arcebispal , desde que o Papa Francisco modificou a forma de entrega e o lugar de imposição do Pálio, em 2015. A decisão foi tomada como forma de facilitar a participação dos fieis da Arquidiocese na qual o bispo recebe o Pálio. O que antes só seria possível presencialmente, caso o fiel participasse da cerimônia do dia 29 de junho, no Vaticano.


Os fieis prestigiaram o momento com a Igreja em sua lotação máxima, e os que não puderam participar do lado interno do templo, acompanharam a missa por um telão que foi posta na frente da Catedral.

(Foto: Assessoria de Comunicação | Ribamar Carvalho)

A Aquidiocese de São Luís do Maranhão possui 57 paróquias, distribuídas em dez Foranias, que une expressões eclesiais de diversas ordens (movimentos, pastorais, novas comunidades), porém, existem também os fieis que embora não estejam inseridos nessas expressões, professam sua fé de modo piedoso. É o caso carioca que há mais de duas décadas escolheu São Luís (MA) como lar, Thereza Christina Castro, vice-coordenadora nacional do Fórum Nacional da Sociedade Civil nos Comitês de Bacias Hidrográficas (Fonasc.CBH), entidade que cuida da água dos rios do Brasil. Ao saber da notícia da vinda do representante do Papa, determinou-se a participar presencialmente da celebração:


(Thereza Christina | Foto: Assessoria de Comunicação da Arquidiocese de São Luís do Maranhão, Antônio Júnior)



"Quando soube da vinda de dom Giambattista a São Luís decidi participar. Entendi que não poderia deixar de estar presente nesse momento de tamanha graça para os católicos de nossa cidade. Eu me senti muito agraciada e sei que Deus abençoou cada batizado. Dom Gilberto foi feliz ao dizer em sua homilia que será um pastor que dá a vida por suas ovelhas. Isso nos fortalece na fé", testemunhou Thereza.


Atualmente, o Pálio segue sendo entregue no dia 29 de junho, durante a solenidade de São Pedro e São Paulo, mas sua imposição é feita na arquidiocese do bispo que o recebe.


A missa de imposição do Pálio Arcebispal a dom Gilberto Pastana foi presidida pelo Núncio Apostólico, mas a homilia foi feita pelo arcebispo, dom Pastana. Durante o sermão, dom Gilberto resgatou o significado do Pálio, e reforçou o seu compromisso de fidelidade com a Santa Sé e com o Papa Francisco. Lembrou do seu compromisso de pastor, que cuida de suas ovelhas:


"Hoje, nessa celebração, foi-me colocado o Pálio, ligado ao juramento de lealdade ao Papa Francisco e aos seus sucessores. Essa veste litúrgica representa a ovelha que o Pastor carrega nos ombros, assim como fez Cristo com a ovelha perdida e com o publicano. Posso lhes assegurar que o Pálio é o simbolo da missão pastoral do arcebispo. É também a prerrogativa dos arcebipos metropolitanos, como símbolo de jurísdição com a Santa Sé", reforçou dom Pastana.

Em sua fala recordou a homilia do Papa Francisco, datada de 29 de junho de 2021, onde ele dizia que ao receber o Pálio, os arcebispos recebem a mesma missão do Bom Pastor: dar a vida pelo rebanho. E inspirado nessas palavras, dom Gilberto Pastana declarou:

"Cabe a mim, queridos irmãos, a missão de dar a vida pelo rebanho a mim confiado, e me inspirar na figura paterna, atenta e carinhosa do Bom Pastor. Deus é o Pastor do povo de Israel. Jesus Cristo, é o Bom Pastor. Mais do que um símbolo, é uma referência que Jesus Cristo fez de si mesmo no Evangelho". (Trecho da homilia de dom Gilberto Pastana).


Antes da missa de imposição do Pálio, dom Gilberto e o Núncio Apostólico, dom Giambattista, participaram de uma sequência de compromissos onde, das 9h às 12h, reuniram-se com os bispos do Regional Nordeste 5, concluindo a manhã com um almoço onde participaram leigos, religiosos e autoridades civis, como Carlos Brandão, governador do estado do Maranhão e Felipe Camarão, vice-governador do estado.

(Foto: Ascom Arquidiocese de São Luís do Maranhão | Antonio Mota)

À tarde, participaram de uma coletiva de imprensa, onde dom Giambattista fez um pronunciamento sobre o significado do Pálio e sobre a importância desse momento para a Arquidiocese de São Luís do Maranhão.


(Foto: Ascom Arquidiocese | Ribamar Carvalho)

Após a missa, dom Giambattista é dom Gilberto participaram de um jantar com os presbíteros da Arquidiocese, e os bispos do Regional NE5.


(Foto: Ascom Arquidiocese de São Luís do Maranhão | Antônio Mota)

Domingo (31), às 10h, dom Giambattista celebrará missa na Igreja Nossa Senhora da Penha, bairro Anjo da Guarda, onde se despede de sua passagem por São Luís (MA).