CNBB terá nova marca!


(Imagem: Vatican News)

Na noite desse domingo (4), o site Vatican News publicou um artigo falando sobre a mudança de marca da CNBB, prevista para acontecer oficialmente no dia 14 de outubro, data que marca os 70 anos da CNBB, onde deve ser apresentada junto com a explicação do sentido.


A marca foi aprovada pelos bispos durante a 59ª AG CNBB, e estava prevista dentro do Plano de Comunicação da organização (2019-2023). O momento do lançamento, vai ao encontro do clima de renovação que acontece na CNBB, com a aprovação do estatuto, também durante esta última Assembleia Geral, e por isso, traduz nesta marca, a forma de pensar e de dialogar, adotada pelo episcopado brasileiro.


(Marca atual da CNBB/Fonte: CNBB)

O desenvolvimento da nova marca foi feito pela designer Dulced Albarez, e é resultado do trabalho de conclusão de curso apresentado na Especialização em Marketing Digital e Negócios Estratégicos desenvolvido pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas).


No processo de construção da marca, 848 pessoas foram ouvidas, entre bispos, jornalistas e agentes pastorais, de diversas instâncias estratégicas da Igreja, além de membros da presidência e colaboradores, para se avaliar como avaliavam e percebiam a marca da CNBB.


Similar ao que acontece em diversas organizações antigas, a marca utilizada até agora na CNBB, não possuía um manual de identidade visual (MIV), talvez resultado de outros tempos e relações com a comunicação.


Da pesquisa, surgiram as palavras: unidade, fraternidade, sinodalidade, comunhão, colegialidade e amor". E a partir de todo o processo de escuta, das leituras e resultados encontrados, somado à tendências modernas do designs, surgiu a nova marca da CNBB.



Próximos passos


Após aprovação, deve se iniciar o processo de construção do Manual de Aplicação e Padronização da Marca, onde deve constar política de gestão e regras e orientações sobre a aplicação.


Em seguida, deve-se realizar a apresentação e diálogo entre os departamentos e setores, assim como nos regionais da CNBB, para que tenha a garantia da unidade na aplicação da marca, e se busque garantir a harmonia e segurança na mudança.



*artigo escrito com base em informações do Vatican News.