Capuchinhos se alegram com os 60 anos de vida religiosa de frei Luis Giudici




Hoje a Igreja do Carmo e a Arquidiocese de São Luís do Maranhão se alegra com os 60 anos de vida religiosa de Frei Luís Giudici que, desde o ano de 2015, reside na capital maranhense, no Convento do Carmo, Centro. Em 2021, assumiu pela segunda vez a função de guardião da fraternidade (a primeira vez foi de 2015 a 2017). Além dessa função, frei Luís é o o Diretor da obra da Casa do Pão de Santo Antonio, serviço da Igreja do Carmo que atende os mais necessitados.


Querido pela comunidade local, e pelos fieis que frequentam essa importante Igreja no Centro, frei Luís Giucidici tem no dia de São Francisco, fundador de sua ordem, a graça de se alegrar com a sua entrega absoluta a Deus.


Biografia


Frei Luís Giudici nasceu em Vilmaggiore di Scalve (Bergamo), Itália. Entrou na Ordem dos Capuchinhos na Província da Lombardia (Itália), no ano de 1954. Professou os votos no dia 04/10/1962, e foi ordenado sacerdote no dia 27/06/1970. Trabalhou na Certosa de Garegnano, em Milão, e em Casalpusterlengo.


Veio para o Brasil como missionário em 1978. Após alguns meses em São Luís (MA), foi enviado ao município de Barra do Corda (MA ), na função de desobrigante. Em 1980, foi nomeado mestre dos pós-noviços em Belém do Pará. E no ano de 983 voltou à Barra do Corda, como diretor do Seminário maior da Diocese de Grajaú.


Em seguida, em 1985 foi enviado para a capital maranhense, a fim de construir o prédio do estudantado de filosofia, no bairro Cohab. Frei Luís foi ainda para Capanema (PA), onde exerceu a função de pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, entre os anos de 1989 a 1995.


No ano de 1995, volta ao Maranhão, dessa vez na cidade de Açailândia, onde exerceu a funçãod e pároco da Paróquia São Francisco de Assis em Açailândia (MA), até o ano de 1998. Período em que retornou para Belém (PA), na função de pároco da paróquia de São Francisco, onde permaneceu ate o ano de 2005.


Antes disso, em 1999, quando aconteceu a ereção da nova Província Capuchinha nos estados do MA-PA-AP, pediu para se incardinar de maneira definitiva. Assim, já em São Luís (MA), foi pároco na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Cohab, de 2006 a 2008. Ano em que voltou para o Pará, e de 2008 a 2011, foi pároco da Paróquia Imaculada Conceição, em Marabá (Pará), onde respondia pela área pastoral de diversas comunidades do interior.


No ano de 2012, foi enviado à Grajaú (MA), como Vigário Geral, pároco da catedral e ecônomo da diocese de Grajaú, função na qual permaneceu até o ano de 2015, período em que retornou para a capital.


*Texto produzido com informações da Comunicação Igreja do Carmo.