top of page

Biografia de frei Antonio Sinibaldi OFMConv será lançada domingo (12), na paróquia do São Francisco


Frei Antônio Sinibaldi foi um religioso italiano que dedicou parte da sua vida missionária no Maranhão tendo falecido em 1987, na Ilha do Medo, em São Luís, vítima de um naufrágio após salvar 16 jovens do afogamento. Por este ato heroico, seu nome está em processo de beatificação. Essa história e toda a trajetória do Frei, que deu a própria vida para salvar a dos jovens maranhenses, estão descritas no livro intitulado “Uma vida em doação de amor – Frei Antônio Sinibaldi e sua obra missionária", que será lançado neste domingo (12), às 9h30, na Praça da Paróquia São Franciso de Assis, no bairro São Francisco, em São Luís.


O livro é uma versão em português feita por frei Jadson Pereira Rêgo OFMConv, com a coordenação editorial de Mário Cella, da obra original em italiano “Una vita donata per amore: P. Antônio Sinibaldi”, biografia escrita por Frei Ângelo Di Giorgio, da Ordem Franciscana Menor Conventual (OFMConv). A apresentação é assinada por Frei Vittorino Trani e o livro tem ainda um texto colaborativo do advogado e jornalista Carlos Nina. Além de narrar toda a trajetória do missionário, a obra literária reúne algumas fotos e testemunhos de pessoas que tiveram a oportunidade de conviver com ele.



A publicação literária em português conta com o apoio da Associação Amigos de Frei Antônio, da Arquidiocese de São Luís do Maranhão, da Custódia Provincial São Boaventura do Brasil e da Paróquia de São Francisco de Assis, cuja igreja matriz foi fundada por frei Antônio Sinibaldi e é lá que atualmente encontra seu túmulo, venerado pela comunidade paroquiana. O livro contou ainda com o patrocínio da Fundação Sousândrade, da Dom Hospital Medicina Diagnóstica, CTR Medicina Diagnóstica e da Gráfica e Editora Sete Cores.


O lançamento do livro faz parte de um amplo projeto de preservar a história e propagar a devoção ao religioso, que teve uma forte atuação em São Luís em prol das comunidades carentes. Ainda em setembro deste ano, foi criado o perfil no Instagram @freiantoiosinibaldi, para que as pessoas possam saber mais sobre a vida e ações do missionário, além de acompanhar todas as fases do seu processo de beatificação. Também no dia 07 de setembro deste ano, data da Páscoa definitiva do religioso, foi realizada um Missa em memória de seus 36 anos de falecimento, na Igreja São Franciso de Assis, em São Luís/MA.


Exemplo de vida missionária


Frei Antônio Sinibaldi nasceu na Itália, em 1937. Iniciou sua atividade pastoral no Maranhão em 1968, primeiro no município de Viana, atuando como pároco por 3 anos em Bom Jardim e, depois, na capital São Luís, onde assumiu inicialmente a paróquia São João Batista de Vinhais.



Trabalhou em prol das pessoas que buscavam apoio moral, espiritual e material. Fundou e foi o primeiro pároco da Igreja São Francisco de Assis, onde realizou importantes ações sociais na comunidade. Ocupou também o cargo de superior da Missão Jesuítica na Região Nordeste. Além disso, criou o movimento Ninho, que ajudava mulheres e seus filhos em situação de vulnerabilidade social.


Promoveu o movimento Encontro de Jovens com Cristo (EJC). Também foi professor de Liturgia e coordenador da Pastoral Diocesana. Tinha um cuidado especial com crianças abandonadas, jovens e todos os marginalizados pela sociedade.



Membro da Ordem dos Frades Menores Conventuais, Frei Antônio Sinibaldi faleceu em 7 de setembro de 1987, durante uma viagem entre a Ponta da Madeira e a Ilha do Medo, na Baía de São Marcos, após um bem sucedido Encontro de Jovens com Cristo, quando a embarcação naufragou.


Após salvar a vida de outros jovens que também estavam na embarcação, ele foi vencido pelo cansaço e não conseguiu salvar a si mesmo, vindo a falecer perto de completar seus 50 anos de idade. Na véspera de sua morte, frei Antônio Sinibaldi havia pronunciado a frase: “Pelos jovens, eu daria a minha vida”.


Em 2007, a Ordem dos Frades Conventuais, em Roma, recebe o pedido para o início do processo de canonização de frei Antônio Sinibaldi.





Kommentare


bottom of page